CAIXINHA DE CULTURA - A não perder...

Arte e Cultura? Não hesites! Entra já em...CASTINGSTARS - Comunidade de Artistas Portugueses http://www.castingstars.ning.com

COFFEEPASTE - se és artista e procuras trabalho...
http://coffeepaste.blogspot.com/

PORTAL CRONÓPIOS - onde escritores e artistas se expressam no seu todo. Leia, veja os vídeos, oiça entrevistas em
http://www.cronopios.com.br

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Memórias - Frida Kahlo

Fonte: Google - philia.zip.net



Fonte: Google - eraumavezmoda.blogspot.com

 
Frida e Diego Rivera (Google)
 Fonte: blog.photography.si.edu

FRIDA KAHLOMéxico (Coyoacán) - 1907/1954


Please see below/ S'il vous plaît voir ci-dessous/ Por favor, ver más abajo /


Si prega di vedere sotto.

----------------------------------------------------------------------------

Frida Kahlo, (Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón) - uma vida marcada pela tragédia e cujos célebres autorretratos refletem a dor e a angústia que foram uma constante em toda a sua existência. Contudo, as suas pinturas contêm algo de esperançoso, como que um apelo à vida, pela exuberância de cores que quase aniquilam o sur(realismo) doloroso da sua arte, que a representa a ela, Frida, a humana martirizada por um deus cruel.

De uma beleza exótica, Frida apanhara poliemielite na infância e na adolescência sofrera um acidente de elétrico que a deixara paralizada, tendo-lhe sido mais tarde amputada uma perna. Uma barra de ferro rasgara-lhe o ventre, saindo-lhe pela vagina, facto que tornou infrutíferas as suas gravidezes. E essa fora a sua maior dor, representada em alguns dos seus quadros.

A vida, às vezes, surge-nos com provações que nos obrigam a ser heróis. E ela tornara-se uma heroína, que em vez de se afundar no seu infortúnio emergira de forma a assombrar o mundo. A pintura foi a sua prancha; a arte levou-a a alcançar o horizonte de uma forma que jamais havia imaginado. Tolhida pela paraplegia, Frida jazia na sua cama, imobilizada e desesperançada, pincelando a sua tela; então descobrira-se nessa angústia, e renascera, dando a conhecer ao mundo a sua alma atormentada, que desperta ainda as nossas mais sentidas emoções.

O seu grande amor, Diogo Rivera, com quem se casara, oferecera-lhe uma vida de insegurança emocional e infidelidades, tendo-a atraiçoado com a sua própria irmã, facto que a levou a uma das várias separações que fizeram parte desse relacionamento tempestuoso que tem inspirado escritores, cineastas, dramaturgos e artistas diversos em vários continentes.

Por outro lado, Frida, nos raros momentos em que a dor física não a imobilizava, embrenhava-se desenfreadamente em amores ilícitos, sendo alguns deles com figuras célebres, ostentando a sua bissexualidade, talvez por pura vingança, para punir Diogo; Diogo que a matava por dentro, que a feria, que a amava e desamava, tornando-a dependente e confusa – porém, como se afastar do seu ídolo?

Diogo Rivera tornara-se um ícone internacional ao criar o movimento muralístico mexicano, tendo pintado milhares de quadros, desenhos e grandiosos murais que retratam a vida do seu povo, num contexto político e emocional e, obviamente, destacando nas suas pinturas o elemento feminino, expressando assim a sua paixão pelas mulheres.

Também pintara Frida, que se apaixonara pela sua arte e pela sua postura de vida quando ainda era uma jovem e sonhadora estudante. Diego, tal como ela, era um revolucionário e um artista. Tal como ele, Frida exibia a sua ideologia sem medo. Era assumidamente comunista e alguns dos seus quadros demonstram claramente a sua posição. Ela e Diego foram duas almas desencontradas, cuja união intricada perdurara até à morte de Frida, aos 47 anos de idade.

Frida deixa-nos a sua Arte, espalhada pelos cantos do mundo, o seu Diário, a sua ‘Casa Azul’ transformada em Museu e, acima de tudo, deixa-nos a sua vida.

Maria Dhramamor
-----------------------------------------------------------------------------------------

INFORMAÇÃO/ INFORMATION/ INFORMACIÓN/ INFORMAZIONI

http://www.diegorivera.com/
http://www.google.pt.wikipedia.org/wiki/frida_kahlo

ENGLISH – Mexican painter, known around the world for self-portraits and married to Diego Rivera, one of the icons of Mexican painting.

FRANÇAIS – Peintre mexicaine, connue dans le monde entier pour les autoportraits et mariée à Diego Rivera, l'une des icônes de la peinture mexicaine.

ESPAÑOL – Pintora mexicana, conocida en todo el mundo por sus auto-retratos y se casó con Diego Rivera, uno de los iconos de la pintura mexicana.

ITALIANO – Pittrice messicana, conosciuta in tutto il mondo per l'auto-ritratti e sposata con Diego Rivera, icone della pittura messicana.

Maria Dhramamor

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Música - SUZIE'S VELVET

Imagem: atrama.blogspot.com


Track 16 - Suzie's Velvet ao vivo :: Concertos Central Musical
(clicar para ouvir)


Please see below/ S'il vous plaît voir ci-dessous/ Por favor, ver más abajo /Si prega di vedere sotto.

Inês Sousa, uma voz de veludo que nos afaga suavemente, que nos amacia a alma e nos faz sentir puros objetos de desejo, sedentos  de   vida.        
Psssssst!, Estou arrepiada! 
   
Os SUZIE'S VELVET iniciaram os seus concertos em ambientes algarvios, mas atualmente percorrem o país, encantando com o seu estilo Jazz Cabaret. Os sons enérgicos dos instrumentos ecoam de forma harmoniosa a par com as vozes de Inês Sousa e Margarida Campelo (coro). Evidenciam uma forte influência das The Andrew Sisters (1937-1953), com cambiantes de swing e boogie-woogie, e blues em atmosfera de Cabaret. Artistas como Bette Midler e Christina Aguilera também experimentaram influências deste trio de irmãs, oriundo de Minnesota (EUA).

A sua participação no Festival Internacional Douro Jazz (Centro Cultural de Chaves, Teatro Ribeiro Conceição - Lamego, Café-Concerto Teatro de Vila Real), Festas de Carcavelos, Bar Onda Jazz (Lisboa), entre outras, tem sido um êxito para o grupo e um deleite para o público.

Quem é Quem

Inês de Sousa (voz), Bruno Pernadas (guitarra e banjo), Gonçalo Leonardo (contrabaixo) Margarida Campelo (piano e coros), Joca ‘João Correia’ (bateria).

P.S.: Não se esqueça de consultar a agenda de Concertos dos SUZIE'S VELVET.


INFORMAÇÃO/ INFORMATION/ INFORMACIÓN/ INFORMAZIONI

STRATOSFEAR OFFICIAL STORE

ENGLISH - Portuguese band music (Jazz Cabaret) - Variety of blues, swing, boogie-woogie - influences of the ‘The Andrew Sisters’. - And the wonderful voice of Ines de Sousa.

FRANÇAIS - Groupe de musique portugaise (Jazz Cabaret) - variété de blues, swing, boogie-woogie - influences des ‘The Andrew Sisters’. - Et la voix merveilleuse de Ines de Sousa.

ESPAÑOL – Grupo Portugués de música (Jazz Cabaret) - variedad de blues, swing, boogie-woogie - Influencias del trío ‘The Andrew Sisters’. - Y la maravillosa voz de Inés de Sousa.

ITALIANO – Banda portoghese (Jazz Cabaret) - varietà di blues, swing, boogie-woogie - influenze dei 'The Andrew Sisters'. - E la splendida voce di Ines de Sousa.

Maria Dhramamor

CREPÚSCULO - Maria Dhramamor

Já as *cafecos enfeitaram seus seios

de ébano
e
banharam seus corpos no rio
azul.

Já os caçadores voltaram do capinzal
e
historiaram seus encontros com os
bichos
e
com as almas perdidas,
e
trouxeram tecidos e sal
de longes tribos,
e
trouxeram conversas vindas
de conversas
de outras gentes
ausentes.

Já o último *tchindere
fechara o boteco,
e
só eu, meus seios
não enfeitei,
e
só eu, no rio
não me banhei.

Já a última chama da fogueira
esmorecia
quando tu chegaste,
e
meus seios enfeitaste,
e
juntos nos banhámos no rio
azul.

Maria Dhramamor
Março/ 2009
*Cafecos – adolescentes; virgens.
*Tchindere – homem branco, patrão.