CAIXINHA DE CULTURA - A não perder...

Arte e Cultura? Não hesites! Entra já em...CASTINGSTARS - Comunidade de Artistas Portugueses http://www.castingstars.ning.com

COFFEEPASTE - se és artista e procuras trabalho...
http://coffeepaste.blogspot.com/

PORTAL CRONÓPIOS - onde escritores e artistas se expressam no seu todo. Leia, veja os vídeos, oiça entrevistas em
http://www.cronopios.com.br

domingo, 15 de janeiro de 2012

Letras - Hanan Al-Shaykh

Imagem do Google

Palavras Aladas...

Escritora. Dramaturga (1945 - Beirute/ Líbano)

Que importa a vida, que importa tudo o que seja, quando a liberdade, o bem de todos os bens, nos é condicionada? Não será esse condicionamento a ausência da própria liberdade? Talvez Hanan se tenha questionado a um determinado ponto de sua vida e optado por uma espécie de auto exílio (embora se isente de usar essa palavra acutilante) necessário à sua sobrevivência intelectiva. Talvez precisasse de estender as asas e voar mais alto, em direção às estrelas. As estrelas de Hanan estavam em Londres, onde vive desde 1984.

A sua infância foi marcada pela tradição Xiita a que pertencia a sua família e, embora tivesse prosseguido os seus estudos no Egipto, dominado por uma cultura moderna, manteve-se segregada pelos padrões educacionais muçulmanos. Foi em Beirute, onde nasceu, que encetou a sua vida no universo da escrita,  como ensaísta, com apenas 16 anos, tendo colaborado com o jornal 'Al-Nahar' até 1975. Em Beirute, também trabalhou para a televisão 'Al-Hasna' como jornalista. No entanto, foi no Egipto que publicou o seu primeiro romance Intihar Rajul Mayyit - 'Suicide of a Dead Man' (1970).

Com o eclodir da guerra civil no Líbano mudou-se para a Arábia Saudita, continuando a exercer jornalismo. As suas obras abordam temas polémicos inspirados na sua vida e de outras mulheres, vítimas de uma cultura de submissão ao masculino.

Hanan Al-Shaykh transformou a sua escrita num grito de protesto com os seus temas sobre a condição feminina na sociedade em que crescera, abordando aspetos intocáveis, provocando, com a sua audácia, um bloqueio das suas obras em todo o mundo árabe, incluindo no Golfo Pérsico. 'The Story of Zaara' (A História de Zaara) trata-se de um dos seus livros mais polémicos pela crueza de temas como o aborto, divórcio, sexualidade. Recusado por editoras no Líbano, foi publicado à sua custa, tendo chamado a atenção dos media internacionais.

'Women of Sand and Myrrh' (Mulheres de Areia e Mirra) é uma obra sobre o percurso de 4 mulheres, sendo uma delas americana, estruturada sob um elo de vivências proibidas, tal como o lesbianismo. Foi selecionado como um dos 50 melhores livros de 1992, pela 'Publishers Weekly', revista americana direcionada para editores, agentes literários, bibliotecários e livreiros.

As suas  histórias converteram-se num caldo de registos que tem chamado a atenção de atores e encenadores, e as suas personagens transportadas para os palcos e representadas com a veemência com que Hanan veste as palavras.

Os livros de Hanan Al-Shaykh são uma viagem a vidas que nos passam à margem porque, por vezes, é preciso estar no terreno para poder descrevê-la, pois a imaginação por si só não basta.

Maria Dhramamor






Fonte
Imagens do Google
http://www.wikipedia.org.com
http://www.literarylondon.org/london-journal (entrevistada por Christiane Schlote)
http://www.books.google.pt

Sem comentários: